Entretenimento

Júlio Magalhães analisa guerra de audiências

O jornalista de 55 anos falou da sua infância em Angola, mas também da guerra das audięncias que se tem adensado desde a estreia d’O Programa da Cristina.

Júlio portuense contou a Cristina Ferreira que a guerra de audięncias entre os generalistas já é muito antiga e que năo se cinge apenas ao entretenimento, recordando a “competiçăo” iniciada esta semana com a estreia do formato da SIC que compete com Vocę na TV.

“Esta guerra das audięncias já é muito comum. Nós víamos todos o que a concorręncia fazia. Íamos para intervalo quando os outros iam, as notícias de abertura eram pensadas para termos audięncia, também no jornalismo vivemos isso, mas é o normal”, diz.

Recordando o acidente da ponte Entre os Rios e a cobertura mediática feita, Júlio Magalhăes recordou o dia em que esteve dez horas em direto a partir de Castelo de Paiva. “Tivemos 10h00 no ar, havia um autocarro desaparecido e queríamos ter essa imagem em direto. Nenhum dos canais fez pausa na emissăo com medo de perder audięncia. Chegamos a ser acusados de querer explorar o sofrimento dos outros”, diz.

A conversa entre os dois amigos terminou ŕ volta do fogăo, com Júlio Magalhăes a confecionar um dos seus pratos preferidos – ovos com açúcar. Em tom de brincadeira, o jornalista contou que năo é muito dado ŕ cozinha e que prefere ver as mulheres da sua vida por lá, apesar de os homens quererem dominar o espaço da cozinha hoje em dia. “Todos dizemos que a melhor comida é a da nossa măe ou a da nossa avó. É tradiçăo. Năo quero ser mal interpretado, mas para mim o encanto está em ser a comida da măe ou da avó”.


Fonte: A Televisão